Como se constrói e lapida um campeão? Basicamente, no início de uma sólida carreira no surf, como acompanhamos os melhores brasileiros da atualidade, o incentivo familiar faz toda diferença, tão importante, ou mais, que o talento em muitos casos.

Aqui no Rio Grande do Sul, destacamos a performance do jovem Victor Midon, destaque da nova geração gaúcha. Local da Torrica e filho do legend Márcio Midon, aos 12 anos de idade, “Vitinho” vem mostrando surf, dedicação e resultados que nos enchem de orgulho e esperança no futuro do surf competitivo do Rio Grande do Sul.


Abaixo, confira uma conversa que tivemos com ele a respeito do seu ano e planos para 2019! Fotos: Leandro Fuque e Arquivo Pessoal Vitinho

Levando a última etapa do Circuito Gaúcho 2018. Foto: Leandro Fuque


1 – Recentemente você obteve excelentes resultados na última e decisiva etapa do Circuito Gaúcho de Surf Amador 2018. Como foi esse evento?

Foi um campeonato muito bacana, que rolou na praia do Molhes de Torres, corri nas categorias grommets, inciciantes e, pela primeira vez, também competi na Mirim. Na Grommets fui campeão da etapa e segundo no ranking geral. Na iniciantes, fiquei em segundo na etapa e terceiro no ranking. E na Mirim, fui vice-campeão da etapa e sétimo no ranking. Foi puxado correr três categorias, mas estou bem preparado fisicamente e fiquei muito feliz com meu desempenho!


2 – E nas demais competições pelo sul do Brasil, quais foram as melhores experiências?

Corri algumas etapas do Circuito Paranaense, e em Santa Catarina o Gromm Search, o Surf Talentos e o SQS Tour. As experiências mais legais foram no Paraná, onde surfei altas ondas na Ilha do Mel e Matinhos, e, na Praia do Cardoso, em Laguna, onde tinham ondas de até dois metros e foi um belo desafio.

Vitinho competindo em Matinhos (PR). Foto Marco Antunes


3 – Muitos eventos tu compete junto com seu pai Márcio Midon, que também é seu técnico e competidor Master e Longboard. Como é ver ele arrebentar as ondas e subir no pódio na maioria das vezes, deve te inspirar bastante, né!?

É muito legal competir junto com meu pai, pois temos a oportunidade de evoluir juntos! Ele me ajuda, e eu ajudo ele, ficamos sempre instigando um ao outro, e ver ele no pódio me deixa muito feliz e motivado.

Pai, técnico, treinador e parceiro de competição. Foto Marco Antunes

4 – Além de técnico e parceiro de competições, teu pai também é seu preparador físico. Como estão os treinamentos?

No início do ano trabalhamos a ginástica funcional natural, mas atualmente estamos focando na natação, alongamentos, surf e skate.  

5 – E quem te patrocina nesta longa jornada em busca do profissionalismo?

A R Dimer Empreendimentos Imobiliários e Infinity Imobiliária Digital são meus principais patrocinadores, e o Ct Espaço e Movimento, que é a empresa do pai, Witch`s Idiomas e Pranchas Ricardo Martins são meus apoiadores e me ajudam muito nessa caminhada. Importante lembrar da colaboração do Renan Borba, que é ex surfista profissional e meu manager.

6 – Objetivos para 2019.

Ser Campeão Gaúcho e competir os principais eventos do sul do Brasil, além de viajar para evoluir meu surf nas melhores ondas do mundo. Também pretendo fechar uma parceria com alguma marca de surf.

7 – Deixe um recado para quem te acompanha e admira seu surf.

Quero agradecer a todas pessoas que me incentivam pelas redes sociais, muito gratificante a energia de vocês. Um abraço a todos e um ótimo 2019!

2 thoughts on “Victor Midon – Retrospectiva 2018”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *